Sobre Flavia

Com seu escritório aberto nos EUA, especializado em imigração e leis de família, a advogada brasileira Flávia Santos Lloyd tem traçado uma carreira de sucesso na área. Flávia viu uma grande oportunidade de empreender nos EUA, numa das questões mais procuradas por brasileiros que vivem no exterior e que buscam se estabelecer e regularizar sua situação. Por isso, convidamos Flávia pra nos contar sobre o processo de abertura de sua firma e como sua história pode servir de inspiração a muitas advogadas que pretendem dar continuidade a sua carreira fora do Brasil. Confira!

Dr. Flávia Santos Lloyd

ADVOGADA

https://www.santoslloydlaw.com/

  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Facebook
No exterior
MINHA HISTÓRIA

Flávia, fale um pouco sobre você e o que fazia antes no Brasil.

Meu nome é Flávia Santos Lloyd, tenho 40 anos, e nasci em Santos, São Paulo. Moro nos EUA há 20 anos. Antes de vir morar aqui, era estudante universitária e fiz português e russo na USP.

E família?

​Minha família vive no Brasil. Comigo nos EUA vivem meu filho e noivo.

E por que decidiu sair do Brasil e morar nos EUA?

Bem, eu queria aprender inglês e passar um ano fora. Juntei dinheiro, trabalhei para caramba, e a família inteira contribuiu um pouquinho, e o resto é história… Era só para passar um ano fora mesmo, mas as coisas mudaram.

​E como surgiu a ideia de abrir seu escritório de advocacia?

A ideia foi a seguinte: eu sou advogada de imigração aqui nos EUA e comecei como assistente em escritório de advocacia. Depois, virei paralegal e fiz o meu mestrado e doutorado enquanto eu estudava. Eu dou aula de direito no doutorado e também dou aula em um curso preparatório para a ordem dos advogados aqui nos EUA. Em 2016, eu abri o meu próprio escritório, o Santos Lloyd Law Firm, onde comecei em uma salinha bem pequena. Só eu a minha assistente, Dianna. Hoje somos 12 no total entre advogados e assistentes. É muito trabalho, suor e dedicação, mas eu adoro o que faço.

Sim, sem esforço e dedicação é realmente difícil seguir em frente. E como foi esse início de carreira como empreendedora, muitas barreiras a enfrentar?

​Olha, por um lado, foi fácil. Eu trabalhei 12 anos em um escritório, depois 3 anos em outro e fui observando o que e quem eu queria (e não queria) ser como empreendedora. Por outro, foi muito difícil. Como encontrar profissionais competentes para me ajudar como contadores, consultores, e um time que pudesse entender o que eu faço. Também tive pessoas que não acreditaram na minha visão. É difícil nadar contra a maré. Mas sempre tive confiança no meu trabalho e no meu esforço. Outra dificuldade foi encontrar funcionários que “comprassem” a ideia de trabalhar em uma start up.

​E como seu trabalho foi recebido pelo mercado internacional?

Na verdade, o meu mercado é global. Tenho clientes no mundo inteiro e acabo viajando muito por causa disso. Então, Internet, Facebook, Instagram, são super importantes para oferecer o meu serviço. Como muitas pessoas querem mudar para os EUA, é relativamente fácil oferecer os meus serviços no mercado. 

Que dicas/conselhos você daria para futuras empreendedoras sobre sua área de atuação?

 

Bem, a primeira coisa é: use profissionais para te ajudar. Saiba o que você não sabe. Eu não entendo de números. Então, investi em uma contadora. Tenho advogado trabalhista. Tenho uma equipe de profissionais que me ajudam. Claro que não tinha dinheiro no começo para contratar e / ou pagar todos os serviços que eu preciso. Mas antes de largar o meu emprego e abrir o meu escritório, eu juntei cada centavo para poder começar direito. Não foi fácil: o medo de não ter clientes o suficiente para pagar o aluguel. O medo de não dar conta do recado. Mas aos poucos, as coisas foram melhorando. A segunda coisa: encontre o seu nicho. Eu corri atrás do meu público alvo. Não foi fácil, mas consegui depois de muita luta. E finalmente, se ajudem: quando um advogado novo vem querendo conselho, eu tomo café, almoço e dou atenção. Competição é bom e saudável. Se você é boa no que faz, tem clientes para todos. 

O que gostaria de ver melhorado no setor de advocacia? 

O meu setor é bem regulamentado. Gostaria que tivesse mais regulamentação de profissionais não gabaritados. Isso me preocupa muito. 

E a recepção do povo local com a brasileira advogada que abriu seu escritório? Algum tipo de preconceito? 

​Eu moro na Califórnia – um lugar receptivo aos estrangeiros, porém, os americanos são muito fechados e é muito difícil eles aceitarem estrangeiros. A minha profissão é dominada por homens. Então, eu sou estrangeira, mulher, negra e de um país onde as pessoas pensam que não somos sérias. São vários pontos negativos. Por outro lado, esse é o mesmo país onde tive a oportunidade de crescer e desenvolver o meu negócio sem problemas. Então, sim é mais difícil “entrar” no mercado americano. Mas ainda acho que se você tiver força de vontade é possível sim e eu sou um exemplo disso. 

Quer fazer parte do nosso Projeto?

© 2020 Brempex 

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram